LEVE SEU FILHO NA IGREJA PARA NÃO VISITA-LO NA PRISÃO

 

Percebe-se um grande número de pais que entregam seus filhos nas escolas, até com exclamações de “não aguento mais”, na esperança de que sejam educados pelos professores. Ora, segundo a origem do termo educação, do latim educare, educere, que significa literalmente “conduzir para fora” ou “direcionar para fora”.

O termo latino educare é composto pela união do prefixo ex, que significa “fora”, e ducere, que quer dizer “conduzir” ou “levar”. “O significado do termo (direcionar para fora) era empregado no sentido de preparar as pessoas para o mundo e viver em sociedade, ou seja, conduzi-las para fora” de si mesmas, mostrando as diferenças que existem no mundo.[1]

Enquanto que na língua portuguesa a palavra pode ser associada ao sentido de boas maneiras, principalmente no adjetivo “educado”, em inglês educated refere-se unicamente ao grau de instrução formal.

Penso que o maior engano da sociedade atual nessa área da educação seja justamente a confusão criada por não entendermos que a educação significa o desenvolvimento integral da pessoa, e que ocorre em todas as fases da vida; não basta a informação, o conhecimento, o regramento e a punição, se não houver uma mudança na conduta humana que saia voluntariamente do interior do indivíduo que tenha o ambiente adequado para que isso ocorra.

Diante da onda crescente de violência na sociedade brasileira, especialmente entre os mais jovens, quero repassar alguns princípios extraídos de uma palestra de uma das maiores autoridades na educação de filhos[2]; saliento, porém, que a conduta humana é extremamente complexa, por isso, não se deve aplica-los como uma receita de bolo, mas que sirva de reflexão:

-A educação não pode ser delegada à escola. Aluno é transitório. Filho é para sempre.

-O quarto não é lugar para fazer criança cumprir castigo. Não se pode castigar com internet, som, TV, etc.

-Educar significa punir as condutas derivadas de um comportamento errôneo. Queimou índio pataxó, a pena (condenação judicial) deve ser passar o dia todo em hospital de queimados.

-É preciso confrontar o que o filho conta com a verdade real. Se falar que professor o xingou, tem que ir até a escola e ouvir o outro lado, além das testemunhas. 

-Informação é diferente de conhecimento. O ato de conhecer vem após o ato de ser informado de alguma coisa. Não são todos que conhecem. Conhecer camisinha e não usar significa que não se tem o conhecimento da prevenção que a camisinha proporciona.

-A autoridade deve ser compartilhada entre os pais.Ambos devem mandar. Não podem sucumbir aos desejos da criança. Criança não quer comer? A mãe não pode alimentá-la. A criança deve aguardar até a próxima refeição que a família fará. A criança não pode alterar as regras da casa. A mãe NÃO PODE interferir nas regras ditadas pelo pai (e nas punições também) e vice-versa. Se o pai determinar que não haverá um passeio, a mãe não pode interferir. Tem que respeitar sob pena de criar um delinquente.

-Em casa que tem comida, criança não morre de fomeSe ela quiser comer, saberá a hora. E é o adulto quem tem que dizer QUAL É A HORA de se comer e o que comer. 

-A criança deve ser capaz de explicar aos pais a matéria que estudou e na qual será testada. Não pode simplesmente repetir, decorado. Tem que entender.

-É preciso transmitir aos filhos a ideia de que temos de produzir o máximo que podemos. Isto porque na vida não podemos aceitar a média exigida pelo colégio: não podemos dar 70% de nós, ou seja, não podemos tirar 7,0.

-As drogas e a gravidez indesejada estão em alta porque os adolescentes estão em busca de prazer. E o prazer é inconsequente.

-A gravidez é um sucesso biológico e um fracasso sob o ponto de vista sexual.

-Maconha não produz efeito só quando é utilizada. Quem está são, mas é dependente, agride a mãe para poder sair de casa, para fazer uso da droga. A mãe deve, então, virar as costas e não aceitar as agressões. Não pode ficar discutindo e tentando dissuadi-lo da ideia. Tem que dizer que não conversará com ele e pronto. Deve ‘abandoná-lo’.

-A mãe é incompetente para ‘abandonar’ o filho. Se soubesse fazê-lo, o filho a respeitaria. Como sabe que a mãe está sempre ali, não a respeita.

-Se o pai ficar nervoso porque o filho aprontou alguma coisa, não deve alterar a voz. Deve dizer que está nervoso e, por isso, não quer discussão até ficar calmo. A calmaria, o pai deve dizer, virá em 2, 3, 4 dias. Enquanto isso, o videogame, as saídas, a balada, ficarão suspensas, até ele se acalmar e aplicar o devido castigo.

-Se o filho não aprendeu ganhando, tem que aprender perdendo.

-Não pode prometer presente pelo sucesso que é sua obrigação. Tirar nota boa é obrigação. Não xingar avós é obrigação. Ser polido é obrigação. Passar no vestibular é obrigação. Se ganhou o carro após o vestibular, ele o perderá se for mal na faculdade.

-Quem educa filho é pai e mãe. Avós não podem interferir na educação do neto, de maneira alguma. Jamais. Não é cabível palpite. Nunca.

-Muitas são desequilibradas ou mesmo loucas. Devem ser tratadas. (palavras dele).

-Se a mãe engolir sapos do filho, ele pensará que a sociedade terá que engolir também.

-Videogames é um perigo: os pais têm que explicar como é a realidade, mostrar que na vida real não existem ‘vidas’, e sim uma única vida. Não dá para morrer e reencarnar. Não dá para apostar tudo, apertar o botão e zerar a dívida.

-Professor tem que ser líder. Inspirar liderança. Não pode apenas bater cartão.

-Pais e mães não pode se valer do filho por uma inabilidade que eles tenham. ‘Filho, digite isso aqui pra mim porque não sei lidar com o computador’. Pais têm que saber usar o Skype, pois no mundo em que a ligação é gratuita pelo Skype, é inconcebível pagarem para falar com o filho que mora longe.

-O erro mais frequente na educação do filho é colocá-lo no topo da casa. O filho não pode ser a razão de viver de um casal. O filho é um dos elementos. O casal tem que deixá-lo, no máximo, no mesmo nível que eles. A sociedade pagará o preço quando alguém é educado achando-se o centro do universo.

-Filhos drogados são aqueles que sempre estiveram no topo da família.

-Cair na conversa do filho é criar um marginal. Filho não pode dar palpite em coisa de adulto. Se ele quiser opinar sobre qual deve ser a geladeira, terá que mostrar qual é o consumo (KWh) da que ele indicar. Se quiser dizer como deve ser a nova casa, tem que dizer quanto isso (seus supostos luxos) incrementará o gasto final.

-Dinheiro ‘a rodo’ para o filho é prejudicial. Mesmo que os pais o tenham, precisam controlar e ensinar a gastar.

Frases:
 “A mãe (ou o pai!) que leva o filho para a igreja, não vai buscá-lo na cadeia”.

“As pessoas são pesadas demais para serem levadas nos ombros. Levo-as no coração”.
Dom Hélder Câmara

[1] Conteúdo da Web: http://www.dicionarioetimologico.com.br/educar/ acessado em 14/01/16.

[2] Palestra ministrada pelo médico psiquiatra Dr. Içami Tiba, em Curitiba. Site: http://tiba.com.br/artigos.php

 

Anúncios

Um comentário sobre “LEVE SEU FILHO NA IGREJA PARA NÃO VISITA-LO NA PRISÃO

  1. Pingback: A CULTURA DO DESRESPEITO | Blog de PAULO ESPINDOLA

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s